segunda-feira, 15 de setembro de 2014

 

Idioma English | Español

  • feeds

Usuário
Senha
Clique aqui para inscrever-se

Teólogo holandês destaca "a festa das diferenças"

"Sinto que estamos iniciando uma festa, a festa da dignidade das diferenças, a festa do discernimento entre a dimensão diaconal de muitos textos que nunca foram analisados dessa maneira e nossas realidades muito particulares de viver a fé”, disse o professor Hans de Wit, da Universidade Livre da Holanda.

José Aurelio Paz
Matanzas, sexta-feira, 20 de julho de 2012

Wit apresentou insumos bíblicos no Seminário de Empoderamento para a Diaconia na América Central e no Caribe, reunido no Seminário Evangélico de Teologia, em Matanzas.

Estar a serviço do outro, isso é diaconia, definiu o teólogo holandês, que propôs a retomada do método "ver, julgar, agir" para ouvir o grito dos que choram e não são consolados. "Nessa caminhada a gente se empodera juntos", disse. 

O professor propôs a leitura intercultural da Bíblia, o que significa reconhecer que os textos sagrados são inesgotáveis quanto a significado e sentido, e ninguém pode ser proprietário dos mesmos. O conceito de propriedade não é aplicável à hermetêutica, agregou. Wit incentivou as congregações a se converterem numa comunidade interpretativa que compartilha experiências.

A partícula "inter", no contexto da interculturalidade, representa a interação da leitura latino-americana, reformada, católica, luterana na reciprocidade com os leitores e as leitoras comuns. "Descobrimos que às vezes essas pessoas sabem mais do texto bíblico que muitos comentaristas profissionais", disse o teólogo.

Exegetas analisam mergulham no aramaico, no grego, no hebraico, mas é preciso também ir à prática, no contexto desses leitores comuns, para ver como as duas leituras se complementam, sugeriu o pastor da Igreja Protestante da Holanda.

Na análise do livro do Gênesis, Wit destacou que a criação do homem efetua-se no plural: "Deus os criou, abençoou-os, disse-lhes... frutificai". O autor do livro quer deixar claro que o homem não pode ser identificado só com o varão. "O homem também é feminino e também a ‘ela’ é dado o poder para ser senhora, multiplicar-se e encher a terra", afirmou. A tradução literal seria "masculino e feminino os criou". 

 

Veja mais notícias de José Aurelio Paz

Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC)
Informações e análises sobre a realidade sócio-eclesial, de desenvolvimento e direitos humanos na América Latina e outras regiões do mundo
Edição em português: Rua Ernesto Silva, 83/301, 93042-740 - São Leopoldo - RS - Brasil
Email: editorportugues@alcnoticias.net
no se puede crear el file ()